Sunday, March 31, 2013

Bilhete



Hoje não consigo conter o meu pranto ao ler com desencanto o seu bilhete de Adeus.
A tristeza invadiu o meu ser, ao saber, que não terei mais seus olhos juntos aos meus.
Que não terei mais o seu abraço, o seu carinho, o seu beijo.
Que não poderei mais sentir o seu cheiro.
Meu erro foi construir castelos de areia e achar que neles poderia morar.
Quem é você que entra na minha vida e me faz apaixonar?
E depois apenas com um bilhete quer me descartar?
Meu erro foi o de alimentar esperanças em cima de incertezas.
Mas por que deixei transparecer minhas fraquezas?
Ao responder o seu bilhete declarando o meu amor a ti.
Se você me deixou por outra e desde então não consigo sorrir.
E ao final só me disse uma simples frase: “Torço muito por ti”.
Hoje não consigo conter o meu pranto...
Michelle Trindade


2 comments:

Mateus Medina said...

Amar é ser vulnerável. Não há outra maneira...

bjos

Por que você faz poema? said...

Bilhetes de adeus:
a poesia mais amargurada.