Thursday, May 10, 2012

Nas profundezas da solidão



É vida que segue
No mar da ilusão
Nas correntezas da vida
Amores vem e vão

Afundam em si mesmos
Com o peso do medo
De nadar até a praia
E não encontrar aconchego

Procuram por um farol
Para nortear o caminho
Mas só encontram escuridão
E sentimentos em desalinho

E neste grande oceano
Procuram se guiar pela constelação
Mas nas águas geladas da indiferença
Acabam afogados nas profundezas da solidão...

Michelle Trindade

14 comments:

Catia Bosso said...

Linda poesia, cheia de emoções e buscas!

bjs meus

grata sempre!


Catita

Catia Bosso said...

Mi,
quero falar contigo em of, me escreve no e mail, por favor!

catiabosso@hotmail.com

bjs meus

Cores da Vida... said...

Lindo o texto... Retrata uma tristeza profunda, uma grande solidão...
Michelle, Feliz Dia das Mães...!!
Um bom domingo junto aos seus familiares...
Beijos,

Nilson Barcelli said...

Gostei do teu blogue e da tua poesia.
Voltarei, por isso.
Michelle, obrigado pela tua visita e pelo teu simpático comentário.
Beijo.

End Fernandes said...

Afundar talvez não seja o melhor caminho. Muitos tesouros estão no fundo do mar, porém inacessiveis. As vezes é preciso deixar o ego de lado e se ver como concha do mar. #reflita

Bjuuus

End Fernandes

Luís Coelho said...

Bom dia
A solidão é profunda mas o amor ainda é maior e por isso vou continuar a acreditar e lutar nesse mar de indiferença porque sei que haverei de encontrar o meu porto de abrigo.

Haverei de resistir e haverei de saborear o valor do amor.

Feliz dia das mães. Elas são o símbolo da persistência no amor e na luta continuada.

Marta said...

A solidão pode ser muito dorida....
Obrigada pela visita ao Com Amor...
Até já
Beijos e abraços
Marta

Álvaro Lins said...

Gostei..e esqueci a solidão por momentos:)!
Bjo

Maria Luisa Adães said...

Na solidão todos os sentimentos vêm ao cimo e se desdobram e se entrelaçam e se confundem.

E nesse entrelaçar se buscam com clareza ou sem ela...é apenas, uma forma de buscar...

Gosto do poema e da busca que nunca
finda.

Maria luísa

*Escritora de Artes* said...

Belo poema!

Bjao

Mateus Medina said...

E esse é um dos possíveis destinos...

Belo poema!

bjos

D. Garcia said...

a gente se afoga, mas parece que na vida, se não tiver água na boca, nem vale a pena despertar todas as manhãs...
essa salivação inunda, mas antes, dá prazer e sustenta.
pena que a língua vai buscar outros sabores e novos oceanos a banhar o coração.

beijo grande e obrigado pela tua linda visita à minha casa velha!!!

said...

bela poesia, mas solitaria...

beijossss

Nilson Barcelli said...

Michelle, tem um bom fim de semana.
Beijo.